Arquivo para fevereiro \28\UTC 2007

Deadwing

Esse blog a principio seria só de música, mas como eu não tenho muito saco pra escrever, ter que escrever de um tema só não ajudaria muito. Ou seja, o blog vai ser sobre qualquer coisa que eu venha a escrever.

E pra esse não ser um post de estréia sem nada de interessante (ou não) para ler, vai aí uma resenha:

Porcupine Tree – Deadwing


 

 

Bom, conheço Porcupine Tree a relativamente pouco tempo, mas tenho escutado essa banda de uma maneira tão hardcore que já me sinto pró nela. Primeira música que eu ouvi foi The Sound of Muzak (Hyaku que me passou, se eu tivesse uma irmã, ela deveria favores sexuais a ele), e logo depois peguei todos os cds da banda, e o que mais me agradou foi o Deadwing.

Sabe aqueles cds, que quando te perguntam qual música você gosta mais, você não consegue responder? Deadwing é, sem dúvidas, um cd assim.
Anywayz, vamos a resenha. Quem ouve PT a bastante tempo, vem acompanhando a mudança (ÓTIMA MUDANÇA) de som da banda, então, acho que com esse CD eles chegaram no limite, são definitivamente ÚNICOS. Detalhe que do cd anterior (In Absentia) pro Deadwing, teve uma troca de bateristas. A mudança ficou bem evidente, gostei bastante do baterista novo, viradas ótimas, manteve uma base bem prog, mas sem perder a cara do PT. Richard Barbieri (tecladista) fez um trabalho filho da puta, deixando todas as músicas com um clima muito foda, que vai de pura psicodelia, até o mais belo deprê. E esse clima de deprê dura quase que o álbum inteiro, mesmo sem ler as letras, você sente a ídeia principal que o Steven Wilson (Guitarra/Vocal) tinha quando as escreveu.

Não teve saco pra ler isso tudo ai em cima ? Pula direto pro faixa a faixa aqui embaixo:

Faixa a Faixa boladão pra você, preguiçoso safado:

01. Deadwing

Pra começo de conversa, alguém percebeu que essa música tem 10 minutos ? Eu não. Sério, 10 minutos super bem aproveitados, música ‘pesadinha’, tem dois solinhos super cremosos (o segundo então, puta que pariu). Steven Wilson mandou BEM PRA CARALHO no vocal e na guitarra, de novo.

02. Shallow

Uma das melhores músicas do cd, a mais pop e pasmém, a mais pesada. A música não é tão longa quanto as outras do cd, por isso agrada a qualquer um, não tem como não gostar dela. Tem um riff de guitarra que fica na cabeça, e um refrão do caralho.

03. Lazarus

Baladinha do CD, mas isso não é motivo pra você pular a música. Ela tem só 4 minutos, e tem um piano orgasmático de tão bonito durante quase a música inteira (nota mental: Tirar essa música no teclado). Ela não tem solos nenhum e coisital. No final da música, você vai ouvir o sonzinho do metro de novo (tem antes em Deadwing e Shallow), que agora vai funcionar de intro pra próxima música.

04. Halo

Música toda psicodélica. A letra, os instrumentos (OMG QUE BAIXO), a porra toda. A música inteira é levada no baixo maroto, gostosão de ouvir, e ainda tem um solo bom pra caralho de ouvir, o mais virtuoso do cd, creio eu.

05. Arriving Somewhere But Not Here

Fácil fácil a melhor música do CD, começa toda psicodélica também. Ah sim, já ia esquecer, ela tem 12 minutos, mas que se passam como 2, de tão foda que é a música. A partir da metade, entra numa putaria (com umas psicodelias no teclado que eu devo ser o único a ouvir) que fica perfeita ao vivo. A música termina quase acústica, com um solinho de Guitarra de cremosidade garantida.

06. Mellotron Scratch

A música mais sem sal do cd pra mim, Steven Wilson mandando bem nos vocais e um solinho de teclado BEM legal. Não tem muito o que comentar dela (ainda bem, pq pra variar, to escrevendo de mais)

07. Open Car

Outra rapidinha do cd, menos de 4 minutos. Música pesadinha até, mas sem solos, que você nem vai sentir falta, só pelos riffs na guitarra que são bem encaixados pra caralho. Não tem muito o que comentar também, só que ela fica ótima ao vivo.

08. The Start of Something Beautiful

Teclados e baixo perfeitos nessa música. Refrãozinho marcante pra caralho, pra cantar junto e tudo mais. Só não é melhor que Arriving Somewhere but not Here mesmo.

09. Glass Arm Shattering

Fecha o cd com chave de ouro. Música bem calma, boa pra ouvir na hora de durmir, quando você já tá cheio de sono mas faz questão de terminar uma resenha. Sério, música legal pra caralho, que se não me engano, foi posta de última hora no álbum..sorte que não ficou de fora.

Acabou o CDAAAAEEEEEEEEEE

Porcupine Tree
é:

Steven Wilson – Guitarra, Vocal e letras non-sense
Richard Barbieri: Teclados
Colin Edwin: Baixo
Gavin Harrison: Bateria
John Wesley (Só nos shows): Guitarra e Backing (é assim mesmo?) vocal